cor do vinho

Cor Do Vinho: Saiba O Que A Coloração Diz Sobre O Vinho

Cor do vinho é importante para a qualidade da bebida?

Essa é uma pergunta complexa de resposta simples. Sim, as cores dos vinhos são importantes, porque indicam não apenas o tipo de vinho, mas também as propriedades de cada rótulo, os benefícios que esse ou aquele tipo proporcionam a quem o consome e mais.

Mas sempre teremos a pergunta que vem antes de saber qual a importância das cores nas taças de quem toma vinho: como é que um vinho fica branco, tinto ou rosé? E porque os tons de vermelho, branco ou rosa nunca são os mesmos?

Bem, basicamente as cores dos vinhos são resultado dos componentes químicos pigmentados presentes na casca da uva e de sua fermentação junto com essas cascas, ou sem elas (no caso dos brancos).

Os vinhos tintos, por exemplo, são fermentados junto com suas cascas e os componentes químicos presentes são os polifenóis, que têm dois grupos principais: as antocianinas e os taninos, ambos extraídos durante a vinificação. A quantidade, tonalidade e intensidade da cor do vinho tinto variam de acordo com três fatores principais: a casta da uva, a maturação no tempo da colheita e o tempo de maceração do líquido com as cascas durante o processo.

Mesmo nos vinhos desalcoolizados a cor é importante para verificar sua idade, sabores, procedência, e, claro, para comprovar suas qualidades saudáveis, de sabor, acidez, maciez, taninos etc.

Nos vinhos tintos, por exemplo, temos as antocianinas, que são púrpuras, já os taninos apresentam tons de âmbar, alaranjadas e amareladas. As antocianinas predominam nos tintos jovens. Por isso, a coloração dos taninos acaba sendo marca de que o vinho é mais maduro, o que explica que, à medida em que o vinho tinto envelhece, os toques de púrpura (roxos, vermelhos, carmim) das antocianinas vão se dissolvendo, deixando que os tons alaranjados e de cor vermelho tijolo característicos dos taninos prevaleçam.

Mas, estamos indo rápido demais nas explicações. O que faz um vinho ter a cor que tem? Aas cascas, seria uma resposta simples, mas pode ser a falta delas também. Até porque, uma mesma casta de uva pode produzir vinhos tintos, rosés e brancos.

Cor vinho tinto

Vinhos tintos são feitos com as cascas de uvas tintas. Suas cores normais são violeta, rubi ou granada (grená) mais intenso. Os vinhos tintos são produto da maceração da fermentação em cascas, vão tendo suas cores suavizadas à medida em que envelhecem, evoluindo de acordo com a seguinte escala: púrpura/violeta, vermelho-rubi, granada/tijolo, acastanhado. Pode-se verificar também a cor da borda do vinho em si. Em vinhos tintos mais jovens, a borda tem tons violeta, que evoluem para tons de grená e tijolo com o passar do tempo.

Cor vinho branco

Os vinhos brancos são produzidos em sua maioria a partir de uvas brancas, ou de uvas tintas que tiveram as cascas retiradas antes da elaboração. Neste caso, onde apenas uvas de cascas claras ou descascadas entram nos processos de produção, a intensidade da cor tem menor importância do que nos tintos. Os aspectos mais importantes a serem observados são a transparência e o brilho. De qualquer forma, com o envelhecimento, os vinhos brancos se tornam mais escuros e passam pelas fases amarelo-claro, amarelo-palha, dourado e, finalmente, âmbar.

Cor vinho rosé

A produção de vinho rosé, já explicada neste e artigo como o vinho rosé é feito, é resultado de uvas tintas que não ficaram tanto tempo com as cascas no momento da fermentação, ou mesmo, em alguns casos, de uvas dos dois tipos (brancas e tintas), que são misturadas em algum momento da elaboração da bebida.

No caso dos vinhos rosados, a cor não é necessariamente um indicador de envelhecimento, uma vez que essas são bebidas consumidas normalmente quando ainda jovens. Os diferentes tons e nuances refletem mais os tipos de uva que foram utilizados em sua elaboração, além do tempo em que o líquido esteve em contato com as suas cascas durante o processo de produção. De qualquer forma, sua coloração varia entre pêssego, salmão, alaranjado e rosa propriamente dito.

A cor do vinho muda o seu sabor?

De modo geral, a aparência ou cor do vinho mostra características antes mesmo de degustarmos ou sentirmos o aroma da bebida, e serve para os conhecedores analisarem a idade, o tipo de uva utilizada, processo de maturação, acidez e outras informações, que podem ser identificadas com um olhar mais atento.

Mas, a cor interfere no sabor dos vinhos? Sim, em alguns casos a cor, que vem de suas cascas e processos de elaboração, trazem complexidade a alguns vinhos, como no caso dos tintos, mesmo nas bebidas sem álcool. No entanto, todos eles têm tendência em transformar sua tonalidade com o tempo. Assim, os escuros podem clarear e os claros ganharem tons mais escuros.

Mesmo sabendo que os vinhos envelhecem e que alguns ficam melhores com o tempo, a mudança de cor pode significar que a bebida passou do momento ideal para ser consumida. Algumas bebidas, que trazem um excesso de nuances amarronzadas como cascas de cebola, podem indicar que as condições de armazenamento do vinho não foram apropriadas, causando a oxidação precoce da bebida.

Mas o que todas essas cores e evoluções implicam no sabor e no tipo do vinho? De forma geral, tintos de cor vermelha mais profunda passam a impressão de que proporcionarão sensações e sabores mais intensos. Mas não podemos confundir potência com qualidade, pois existem vários vinhos excepcionais de coloração mais clara ou de vermelhos menos intensos.

A cor nos vinhos brancos indica coisas bem diferentes do que se observa nos tintos e mostra mais complexidade. Isso porque, na vinificação de brancos, praticamente não são utilizadas as cascas e há pouco contato entre a polpa extraída das uvas e as suas cascas. Sendo assim, sua coloração depende de outros fatores.

Geralmente a coloração dos brancos se torna mais intensa à medida em que eles envelhecem, como resultado dos processos naturais de oxidação. Além disso, a passagem dos brancos por carvalho também lhes confere cor, já que o vinho acaba adquirindo tonalidade mais escura, advinda não só do próprio contato com a madeira, mas também da maior oxigenação que o líquido sofre nesse meio. Sendo assim eles saem do amarelo claro, quando são jovens, para um âmbar. Isso indica a passagem de um vinho jovem, fresco e brilhante vinho, para uma bebida mais profunda e de sabores mais intensos.

Já nos vinhos rosados, que são normalmente consumidos jovens, a cor não indica a idade. Nessa bebida, os diferentes tons e nuances refletem quais tipos de uva foram utilizados em sua elaboração e o tempo em que o líquido esteve em contato com as suas cascas durante o processo de produção. De qualquer forma, sua coloração varia entre rosa, salmão e pêssego.

No Vinho sem álcool a cor importa?

Muitos são os vinhos sem álcool à disposição no mercado, e que podem ser conferidos aqui no Empório sem Álcool, a maior variedade de bebidas sem álcool do país.

A coloração dessas bebidas são indicadores de muitas propriedades, como no caso dos vinhos com álcool. As cores mostram o frescor, a idade, o sabor e os benefícios que cada bebida pode proporcionar a quem consome. Afinal vinhos sem álcool são apenas bebidas que tiveram retirada a graduação alcoólica em seus processos produtivos, o que oferece bebidas incríveis, mais saudáveis, sem perder em nada para as versões clássicas.

No Empório sem Álcool o cliente poderá encontrar diversos vinhos tintos, como:

Entre os vinhos brancos, destaques vão para os vinhos:

Os rosés sem álcool também estão nas prateleiras do Empório sem Álcool em exemplares como:

Esses são apenas alguns exemplos de vinhos sem álcool entre as muitas opções disponíveis, e que podem mostrar que mesmo em vinhos desalcoolizados, a cor importa bastante na hora de consumir.

Artigos indicados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.