uvas são usadas para fazer os vinhos 1

Que Uvas São Usadas Para Fazer Os Vinhos Sem Álcool?

Saiba tudo sobre os tipos de de uvas que são usados para fazer vinhos.

Neste espaço já falamos sobre os benefícios dos vinhos sem álcool, sobre as diferenças entre vinhos sem álcool e suco de uva, e até alguns métodos de produção de vinhos desalcoolizados. A ideia agora é falar sobre as uvas mais comuns para produzir vinhos sem álcool, mas antes, vamos lembrar um pouco.

Muitos apreciadores de vinho dizem que essa bebida faz um bem enorme para a saúde, e isso é cientificamente comprovado, por conta de todos os benefícios das diversas castas de uvas. Porém a ingestão de álcool em excesso pode afetar o fígado, por exemplo. A solução sem álcool é a melhor alternativa, que traz o melhor dos sabores e prazeres do vinho, com as vantagens de serem mais naturais e ajudarem verdadeiramente a diminuir a pressão sanguínea e serem muito menos calóricos que os vinhos tradicionais, ajudar a proteção cardíaca, controlar o colesterol, e possuírem propriedades antitumorais e anti-inflamatórias.

Mas, aí vem a pergunta: que tipos de uvas produzem vinho sem álcool? Poderíamos dizer que todas elas, já que o processo inicial é o mesmo, e o vinho é desalcoolizado (veja matéria sobre o assunto aqui). Uma das diferenças na produção é que as bebidas sem álcool não utilizam açúcares, mantendo as propriedades naturais das uvas. O processo de fabricação começa pela fermentação e segue com a parte de desalcoolização, finalizando com o envelhecimento.

As uvas? Não dá para falar aqui de todas elas, mas algumas das mais utilizadas pelos fabricantes de vinhos sem álcool, que costumam usar as uvas Merlot, Cabernet Sauvignon, Syrah, Moscato, Tempranillo, Sauvignon Blanc, Pinot Noir e Bordô. Vamos falar de algumas delas porque vinhos sem álcool também dependem de suas uvas, dando identidade às bebidas e às casas fabricantes.

1. Cabernet Sauvignon: A mais popular das uvas, nasceu na França, mais especificamente da região de Bordeaux, e hoje é cultivada em várias regiões vinícolas do mundo, basta que estas sejam localizadas em regiões temperadas e quentes.

Uvas de grande qualidade, as Cabernet Sauvignon são consideradas as rainhas das uvas, servindo até de termômetro para avaliar a produção de algumas vinícolas. Em geral, a uva Cabernet Sauvignon produz bons vinhos de mesa. Eles podem ser tintos ou brancos, sendo a maioria de tom escuro. Independentemente da coloração, esses vinhos são secos, equilibrados em amargor e aroma, com taninos discretos e que harmonizam bem com sabores intensos, como o do bacalhau ou queijos fortes.

2. Merlot: Os vinhos Merlot estão entre os preferidos nas degustações elegantes. As principais características de vinhos produzidos com essa casta de uva são a suavidade e a longevidade de consumo, pois podem ser bebidos jovens ou envelhecidos, sem perder a qualidade.

As uvas Merlot têm a aparência de um veludo azul, e produzem vinhos com taninos médios. Cultivadas em países de climas diversos, a cada mudança os resultados aparecem nos vinhos. Quando as Merlot são produzidas em regiões quentes, os vinhos são mais frutados e com menos taninos. Se forem produzidas em regiões frias como Chile, por exemplo, a presença de taninos é maior, mesmo em vinhos mais jovens. De maneira geral, são bebidas de textura macia e doçura característica e muitas variações aromáticas que dependem da região produtora.

3. Pinot Noir: O cultivo das uvas Pinot Noir é totalmente diversos das Cabernet Sauvignon. Enquanto estas últimas podem ser plantadas em ambientes diferentes, as Pinot Noir precisam de condições perfeitas para produzir bons vinhos. Em regiões sem equilíbrio de clima e temperatura, produzem uvas Pinot Noir que tornam os vinhos muito adocicados.

Por isso, não se trata de uma casta vinífera muito comum, aparecendo apenas na França, Bulgária, Califórnia, Chile e Argentina, onde geram bebidas extremamente elegantes, complexas e de grande personalidade, com taninos firmes e pouco acentuados. Os aromas também são bastante característicos e, apesar de sua coloração mais comum ser a tinta, é possível encontrar vinhos brancos, rosés e espumantes feitos a partir da uva Pinot Noir e vários rótulos sem álcool, como o Vinho Rosé Pinot Noir Appalina, produzido na Alemanha, que pode ser encontrado no Empório Sem Álcool. 

4. Sauvignon Blanc: A Sauvignon Blanc é uma das uvas brancas mais famosas do mundo., tendo gerado até novas castas, como o caso da “Cabernet Sauvignon”, que é a união desta uva com as Cabernet Franc. 

A Sauvignon Blanc é chamada pelos enófilos de rainha-mãe das uvas, já que tem origens nobres e antigas na região de Bordeaux, sendo plantada em várias regiões da França. São muito cultivadas também em outras partes do mundo, como Chile e Nova Zelândia, mas apresentam resultados diversos nas culturas em cada região.

Os vinhos produzidos a partir da uva Sauvignon Blanc são bastante ricos, secos, refrescantes, e carregam traços frutados e aromas vegetais e minerais. De modo geral são vinhos aromáticos, frescos e com ótima acidez. No Empório sem Álcool há boas marcas produzidas a partir da casta Sauvignon Blanc, como o chileno Santa Digna, e o alemão Appalina. Ambos combinam muito bem com queijos de cabra acentuando seus sabores.

5. Moscato: As uvas Moscato são talvez a casta mais antiga do mundo vinícola podem ser verdes ou escuras, produzindo vinhos brancos, tintos, rosés e espumantes de grande qualidade. O potencial dessas uvas é para produzir vinhos adocicados e com baixo teor alcoólico, tendo muitas opções sem álcool, como o Moscatel galego Original, produzido em Portugal, e que está disponível no Empório sem Álcool.

Os aromas dos vinhos produzidos a partir da uva Moscato trazem aromas frutados de pêssego, tangerina e flor de laranja, acompanhadas de um perfil bastante refrescante. 

Os vinhos elaborados com uvas dessa casta são tão leves e frescos que são tidos como vinhos de sobremesa devido aos açúcares pronunciados, e por isso os Moscatéis podem ser harmonizados com uma variedade grande de doces: bolos, pudins, flãs, saladas de frutas musses etc.

6. Syrah: Essa casta de uvas tintas é muito utilizada na produção vinífera, sendo cultivada em várias regiões produtoras do mundo como França (especialmente no norte do Ródano), Argentina, Chile, Portugal, Austrália e no Brasil, onde é cultivada na região vinícola do Vale do Rio São Francisco e no sul do estado de Minas Gerais, que se transformou em uma promissora região de produção de vinhos finos produzidos com uvas Syrah. 

Versátil e com boa capacidade de adaptação, a Syrah é uma das castas mais antiigas de uvas viníferas e expressa diferentes características no aroma e no paladar, dependendo do terroir onde é cultivada, gerando vinhos de corpo médio a encorpado, com taninos perceptíveis, boa acidez, notas de frutas negras e pimenta. E essa uva ganha destaque no Vinho sem Álcool Rosé Syrah Original, produzido em Portugal; ou o Tinto sem Álcool Garnacha Syrah Natureo, produzido na Espanha.

7. Tempranillo: Nativa da Espanha, a uva Tempranillo é muito utilizada na elaboração de vinhos tintos e devido à sua boa adaptação aos diferentes climas e solos, ela tem sido cultivada em diversos países como Argentina, Austrália, Estados Unidos e África do Sul.

Seu nome se deve ao fato de a uva brotar precocemente, amadurecer mais cedo, e ter um ciclo mais curto. Com diversas denominações ao redor do mundo, a Tempranillo é conhecida em Portugal como Tinta Roriz, na Itália como Negretto e, nos Estados Unidos, ganha a denominação Valdepeñas.

O que importa é que essa casta resulta em vinhos tintos com acidez equilibrada, textura macia e taninos elegantes, as bebidas produzidas com uvas Tempranillo mudam de acordo com a região produtora. Nas opções sem álcool essa uva aparece em grandes nomes como o vinho Tempranillo La Dorni, o primeiro vinho sem álcool nacional, que mostra aromas, corpo e sabor surpreendentes.

8. Bordô: De origem americana, a uva bordô foi trazida ao Brasil no início do século XX, na segunda onda de imigração portuguesa. É uma das uvas mais cultivadas no País, principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste. Sua fácil adaptação a diversas condições climáticas e a alta resistência a doenças costumeiras das vinhas, foram os principais fatores para o sucesso de seu plantio em regiões tão diferentes.  

A casta Bordô é uma das mais utilizadas em vinhos de mesa e sucos de uva e, juntamente com outras espécies americanas e híbridas, respondendo por quase 90% das uvas processadas no Brasil, de acordo com o Instituto Brasileiro do Vinho – Ibravin.  

Os vinhos de uvas Bordô têm taninos mais fracos e acidez alta, além de aromas frutados, típicos de vinhos jovens e que são acentuados em bordôs, que podem ser conferidos nos vinhos sem álcool Tinto Seco La Dorni, que não tem adição de açúcares.

Qual a importância na uva no vinho?

Existem mais de 10 mil tipos de uvas no mundo, sendo que cerca de 5 mil tipos são uvas viníferas no mundo todo, muitas delas cultivadas no Brasil nas regiões produtoras. Cada uma delas confere os sabores, taninos, aromas às bebidas, mas, como já mencionado, elas também fazem bem à saúde, ajudando a prevenir problemas cardíacos, diminuindo o colesterol, e fornecendo os antioxidantes necessários para evitar a produção de radicais livres. 

Dos benefícios que as uvas trazem vem a recomendação de muitos nutricionistas para o consumo de suco de uva integral e vinhos sem álcool. Neste artigo colocamos algumas das castas que produzem ótimos exemplares sem álcool, sejam eles brancos, tintos, rosés ou espumantes. Agora que você já conhece alguns dos diferentes tipos de uvas, já está preparado para experimentar novos rótulos, que você pode encontrar no Empório sem Álcool, que são produzidos com as uvas mencionadas aqui, e com muitas outras. 

Artigos indicados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.